Os 3 melhores bestsellers de Mary Shelley de todos.

Quer saber qual o melhor livro de Mary Shelley?

MelhoresLivros.online tem organizado, com base em opiniões de leitores, a classificação atualizada dos livros de Mary Shelley mais famosos de todos.

🏆 Classificação dos bestsellers:

SaleBestseller No. 1
Mathilda
  • Shelley, Mary (Author)
  • 160 Pages - 01/01/2015 (Publication Date) - Grua Livros (Publisher)
Bestseller No. 2
Frankenstein - Série HUB Young Adult ELI Readers. Stage 4B2 (+ Audio CD & Booklet)
  • Shelley, Mary (Author)
  • 142 Pages - 11/11/2010 (Publication Date) - HUB (Publisher)
SaleBestseller No. 3
Frankenstein ou o Prometeu Moderno
  • Shelley, Mary (Author)
  • 224 Pages - 02/01/2017 (Publication Date) - Via Leitura (Publisher)

Esta lista se baseia sobre os livros de Mary Shelley mais consumidos da Amazon no último mês.

💲 Livros em promoção

SaleBestseller No. 1
Frankenstein ou o Prometeu Moderno
  • Shelley, Mary (Author)
  • 224 Pages - 02/01/2017 (Publication Date) - Via Leitura (Publisher)
SaleBestseller No. 2
Mathilda
  • Shelley, Mary (Author)
  • 160 Pages - 01/01/2015 (Publication Date) - Grua Livros (Publisher)
Bestseller No. 3
Frankenstein - Série HUB Young Adult ELI Readers. Stage 4B2 (+ Audio CD & Booklet)
  • Shelley, Mary (Author)
  • 142 Pages - 11/11/2010 (Publication Date) - HUB (Publisher)

🥇 Melhor livro de Mary Shelley

Considerando a existência de variáveis para a escolha do melhor livro de Mary Shelley, segundo percebemos, Mathilda ao preço de R$ 21,90 nos parece o melhor livro de todos os tempos.

SaleO melhor
Mathilda
  • Shelley, Mary (Author)
  • 160 Pages - 01/01/2015 (Publication Date) - Grua Livros (Publisher)

📚 Aprofundamento sobre Mary Shelley

Mary Wollstonecraft Shelley, nascida Mary Wollstonecraft Godwin (Somers Town, Londres, 30 de agosto de 1797 — Chester Square, Londres, 1 de fevereiro de 1851), mais conhecida por Mary Shelley, foi uma escritora britânica, filha pull off filósofo William Godwin e da feminista e escritora Mary Wollstonecraft.

Mary Shelley foi autora, dramaturga, ensaísta, biógrafa e escritora de literatura de viagens, mais conhecida por seu romance gótico, Frankenstein: ou O Moderno Prometeu (1818). Ela também editou e promoveu os trabalhos de seu marido, o poeta romântico e filósofo Percy Bysshe Shelley, com quem se casou em 1816, após o suicídio de sua primeira esposa.

A mãe de Mary morreu após 10 dias attain seu nascimento; ela e sua meia-irmã, Fanny Imlay, foram criadas por seu pai. Quando Mary tinha quatro anos, Godwin casou-se com uma vizinha, Mary Jane Clairmont. Godwin deu à sua filha uma rica e informal educação, encorajando-a a aderir às suas teorias políticas liberais. Em 1814, Mary Godwin iniciou um relacionamento amoroso com um dos seguidores políticos de seu pai, o casado Percy Bysshe Shelley. Junto com a irmã adotiva de Mary, Claire Clairmont, eles partem para a França e viajam pela Europa; uma vez retornando a Inglaterra, Mary fica grávida de Percy. Durante os próximos dois anos, ela e Percy enfrentam o ostracismo, dívidas e a morte da filha prematura. Eles se casaram em 1816 após o suicídio da primeira mulher de Percy Shelley, Harriet.
Em 1816, o famoso casal passou o verão com Lord Byron, John William Polidori, e Claire Clairmont próximos de Genebra, Suíça, onde Mary concebe a ideia de seu romance Frankenstein. Os Shelleys deixam a Grã-Bretanha em 1818 e vão para a Itália, onde o segundo e o terceiro filhos morrem antes do nascimento de seu último e único sobrevivente filho, Percy Florence. Em 1822, seu marido afogou-se quando seu barco afundou durante uma tempestade na Baía de La Spezia. Um ano depois, Mary Shelley retornou a Inglaterra, devotando-se, desde então à educação de seu filho e à carreira como autora profissional. A última década de sua vida foi marcada pela doença, provavelmente causada pelo tumor cerebral que a iria matar aos 53 anos de idade.

Até os anos 70, Mary Shelley period conhecida principalmente por seus esforços em publicar os trabalhos de Percy Shelley e pelo romance Frankenstein, que permanece sendo lido mundialmente e tendo inspirado muitas peças de teatro e adaptações para o cinema. Os estudos atuais renderam uma visão mais abrangente das realizações de Mary Shelley. Estudiosos demonstraram mais interesse em sua carreira literária, particularmente seus romances, que incluem romances históricas Valperga (1823) e The Fortunes of Perkin Warbeck (1830), o romance apocalíptico The Last Man (1826), e seus últimos dois romances, Lodore (1835) e Falkner (1837). Estudos de seus últimos trabalhos conhecidos como o livro de viagens Rambles in Germany and Italy (1844) e os artigos biográficos de Dionysius Lardner’s, Cabinet Cyclopaedia (1829–46), serviram de base e visualização de que Mary Shelley permaneceu uma política broadminded por toda a vida. O trabalho de Mary Shelley frequentemente discute que essa cooperação e simpatia, particularmente praticada pelas mulheres na família, eram maneiras de se reformar a sociedade civil. Esta visão foi um desafio direto ao caráter romântico individualista promovido por Percy Shelley e as teorias políticas iluministas articuladas por seu pai, William Godwin.

Outras sugestões: